beneficios-da-meditacao-diaria

9 benefícios da prática da meditação diária

 A vida anda corrida? Muitas responsabilidades? Você constantemente se encontra pensando: “Não tenho tempo para nada, estou para enlouquecer”, CALMA, quem sabe a solução para isso seja começar a pratica da Meditação?

O cotidiano, muitas vezes trazem imprevistos e uma gama complexa de responsabilidades que acabam tornando o cenário estressante, por isso se faz tão necessário hoje a busca do equilíbrio.

A falta de equilíbrio reflete direta e indiretamente no corpo, na mente e na alma da pessoa, atraindo doenças, crises, falta de compreensão clara.

O equilíbrio somente pode ser alcançado por você mesmo, não pense que pode entregar essa tarefa para outra pessoa, porque não pode, rsrs, imagina só? Seria muito fácil! Porém, existe uma saída ainda mais fácil e melhor, a PAZ INTERIOR.

E não se engane pensando que meditar é só para monges e pessoas religiosas, rsrs, a meditação é uma prática fantástica universal, ela é para todos! Principalmente para os que acham que não conseguem.

Quem pratica regularmente, conhece muito bem os benefícios que essa maravilhosa prática manifesta, no entanto, muitos ainda não conhecem, e se você é uma dessas pessoas que ainda não pratica pode estar desperdiçando o seu tempo e o seu potencial.

Para desenvolver leveza e saúde no seu dia-a-dia, confira abaixo como esse universo da meditação pode transformar a sua rotina. 

PARA COMEÇAR – O QUE É MEDITAÇÃO?

Meditar é praticar técnicas específicas que nos ajudam a focar nossa atenção em um único ponto, com o objetivo de alcançar clareza mental, emocional e desenvolver o autoconhecimento.

A prática da meditação nos conduz a percebermos a nossa luz interior e trazer essa luz para o exterior, assim refletindo em uma vida mais feliz e serena. A paz é o nosso estado natural.

Quando meditamos nos equilibramos nos aspectos físico, mental e espiritual, trazemos a paz que reside em nosso interior para a nossa realidade externa e tudo acaba por se estabilizar.

“Tudo o que você faça, deve ser feito em paz. Eis o melhor remédio para o seu corpo, sua mente e sua alma. Eis a maneira mais sublime de viver. Devemos modelar nossa vida segundo uma estrutura triangular: tranquilidade e doçura são os dois lados, a base é a felicidade. Todos os dias, lembre-se: “Sou um príncipe da paz, sentado no trono do equilíbrio, dirigindo meu reino de atividades”. Atue uma pessoa rápida ou vagarosamente, na solidão ou nas agitadas aglomerações humanas, ela deve centrar-se na paz e no equilíbrio.” – Paramahansa Yogananda.

meditacao-diaria

BENEFÍCIOS DA MEDITAÇÃO NO DIA-A-DIA

  1. Acalma e Tranquiliza

A meditação direciona a energia para seu interior, produzindo estabilidade corporal e mental, levando-a à calma. Essa técnica produz sensação de relaxamento e tranquilidade.

  1. Ajuda a desenvolver amor ao próximo

A meditação nos ajuda a acionar as qualidades de paz e do amor, e com isso percebemos que estamos todos interligados nessa grande teia de luz fiada pela sabedoria da Inteligência Superior.

  1. Aumenta a concentração

A meditação contribui para o funcionamento da atenção, o que, por consequência, faz com que o praticante se torne mais consciente e perceba o que acontece em seu mundo interno e externo. A expansão do foco aumenta o potencial de concentração durante a prática da meditação. Portanto, o praticante leva essa habilidade para a realização de suas atividades.

  1. Instaura o autocontrole e incentiva o autoconhecimento

Com a aquisição da calma, concentração e tranquilidade, começa a florescer o autocontrole, que se inicia com a observação da própria respiração e do foco da atenção durante a prática meditativa. A pessoa passa a ter mais controle de suas ações, dos atos impulsivos, de suas emoções, passando a lidar melhor com a ansiedade, raiva, tristeza ou nervosismo. Aumentando o autocontrole, a pessoa vai, aos poucos, desenvolvendo o autoconhecimento que é fundamental para a expansão da consciência.

  1. Desperta a intuição e a sabedoria

As pessoas fazem escolhas e tomam decisões, para desenvolver o discernimento, ou seja, para aprender a escolher o que é melhor é preciso ouvir a intuição. Somente através da paz interior, com o relaxamento da mente e do corpo é que podemos sentir e ouvir a voz de nosso coração. Com a prática da meditação despertamos a intuição naturalmente, como o desabrochar de uma flor.

  1. Nos desperta a cultivar bons pensamentos

Buda já dizia: “Somos o que pensamos. Tudo o que somos surge com nossos pensamentos. Com nossos pensamentos, fazemos o nosso mundo.”

A meditação pode mostrar a você como tornar sua vida mais alegre, com o cultivo dos pensamentos positivos. Existem técnicas de meditação que atuam diretamente nesse tópico e podem influenciar, desde já, a cultivar seus pensamentos para que sua vida seja um reflexo do amor, benevolência, caridade, saúde, paz, prosperidade.

  1. Ajuda a acessar as qualidades da alma

Em nosso corpo físico reside a nossa alma – plena de abundância, as mais belas qualidades. O esforço da meditação diária nos auxilia a nos reconectarmos com essas qualidades de nossa alma. Somos seres de Luz e Amor.

  1. Incentiva o cultivo dos bons hábitos

A meditação, com fundamento no conhecimento da Yoga, tem por objetivo ajudar você a compreender como pode analisar seus hábitos e transmutá-los quando preciso, cultivando assim, os bons hábitos.

  1. Conduz o praticante a um estado de felicidade permanente

Na obra “Onde Existe Luz”, Paramahansa Yogananda diz: “A natureza da alma é bem-aventurança: um estado interior de sempre nova alegria…”

O praticante de meditação, a cada dia, vai desenvolvendo e cultivando mais e mais, essa sempre nova felicidade, um estado de alegria duradoura, que está em seu interior independente do que aconteça à sua volta.

É claro que é necessário empenho, foco e prática para que possa ir gradativamente alcançando esse estado de bem-aventurança.

OS BENEFÍCIOS DA MEDITAÇÃO SÃO COMPROVADOS CIENTIFICAMENTE

Em pesquisa realizada pela revista PUC de São Paulo, Denise de Assis nos dá uma noção pormenorizada de como os estudos começaram no ocidente:

 O estudo científico da meditação, no ocidente, teve início com as pesquisas do Dr. Herbert Benson, cardiologista e professor da Faculdade de Medicina da universidade de Harvard (EUA), no início dos anos 70.

Em 1975, o Dr. Benson lançou a primeira edição de seu livro que se tornou um Best-Seller: The Relaxation Response. Neste trabalho, Benson abordou os benefícios da meditação no tratamento e na recuperação de seus pacientes. No ano 2000, fazendo um retrospecto a respeito do contexto envolvendo o meio acadêmico no período em que o livro foi lançado, Benson relembrou que era visto como heresia o fato de um médico considerar a hipótese de que o stress e outras reações emocionais contribuíam significativamente para o surgimento e agravamento de DOENÇAS.

Tudo começou, quando Benson, ainda no início de sua carreira, percebeu que seus pacientes hipertensos, após serem medicados, queixavam-se de fraqueza e apresentavam sintomas relacionados à vertigem. Ao sentir-se incomodado com tal fato, Benson percebeu que isto não acontecia apenas com seus pacientes

Aliado a isto, outro acontecimento que chamou sua atenção foi a constatação de que os pacientes apresentavam a pressão sanguínea com valores mais altos quando aferida no consultório. Benson percebeu que esta alteração acontecia devido à ansiedade que os pacientes apresentavam diante do médico. Assim, Benson concluiu que havia uma relação entre stress, ansiedade e alterações fisiológicas.

Em sua busca por uma explicação, Benson encontrou-se com o Dr. Robert Keith Wallace, da universidade da Califórnia, que estava desenvolvendo uma pesquisa com praticantes de meditação transcendental (MT), que é a técnica de meditação mais conhecida no ocidente.

Em uma breve explicação, esta técnica consiste basicamente, em manter-se sentado confortavelmente, de olhos fechados, por um período de 15 a 20 minutos, duas vezes ao dia, buscando repetir (pode ser mentalmente), uma palavra ou um som que possua algum significado pessoal. Ou seja, diferentes temas para meditação são dados a pessoas diferentes.

Assim, a partir de sua pesquisa a respeito da MT, Benson e Wallace perceberam que os meditadores conseguiam manter estáveis o batimento cardíaco, o metabolismo corporal e a respiração. Benson denominou Relaxation Response (Resposta ao Relaxamento) ao conjunto resultante destas respostas fisiológicas em decorrência da prática e foi o nome que deu origem ao livro lançado em 1975.

No comentário introdutório do trabalho publicado por Benson, o cardiologista Sidney Alexander, pontuou que a meditação pode ser utilizada para os mais variados objetivos: no controle da ansiedade, como coadjuvante no tratamento da depressão, no controle de reações emocionais intensas, como auxiliar no tratamento da hipertensão, no equilíbrio dos batimentos cardíacos, no alívio da dor, no período de tensão pré-menstrual, menopausa, em quadros de insônia, nas alterações de humor e em doenças que possam surgir em decorrência do stress e da ansiedade.

Continuando suas pesquisas, Benson descobriu que a resposta ao relaxamento podia ser obtida com várias outras técnicas, incluindo a yoga ou práticas simples de respiração ritmada, sendo necessário apenas que cada praticante mantivesse uma disposição mental e uma atitude passiva, de quietude.

Outro pesquisador, Jon Kabat-Zinn, professor de medicina da Universidade de Massachussetts também descobriu que a prática da meditação, combinada com yoga, diminuía a dependência de analgésicos e reduzia os sintomas em pacientes de dor crônica. Dentre os vários casos estudados por Kabat-Zinn, as queixas dos pacientes variavam entre dores nas costas e dores de cabeça (como enxaqueca e tensão), entre outros casos relacionados à dor crônica.

Retornando ao trabalho de Benson, introdutor das pesquisas médicas a respeito da meditação no ocidente, dez anos depois do lançamento da 1ª Edição da obra The Relaxation Response (1975), lançou outro trabalho que também se tornou um Best Seller: Beyond The Relaxation Response (1985). Desta vez, Benson percebeu que a prática da meditação, combinada com crenças pessoais, potencializava os benefícios já comprovados por esta prática. Benson chamou esta combinação de Faith Factor (fator fé).

O objetivo de Benson foi unir dois mecanismos extremamente poderosos (1) a meditação e (2) crenças filosóficas ou religiosas. Neste trabalho, o cardiologista procurou estabelecer uma ponte entre a fé tradicional, a prática da meditação e a observação científica. É importante considerar que Benson fez questão de esclarecer que seu objetivo não era discutir ou defender dogmas ou posturas religiosas, pois os benefícios da meditação são alcançados também por aqueles que não possuem qualquer tipo de crença ou fé, seja esta filosófica ou religiosa.

No entanto, Benson percebeu, não apenas em suas pesquisas, mas também em outras de cunho similar que a influência do fator fé (Faith Factor) podia efetivamente: reduzir as dores causadas por angina e até mesmo eliminar a 75 necessidade de intervenção cirúrgica (80% dos casos), reduzir a pressão arterial e controlar os problemas causados por hipertensão, aumentar a criatividade, principalmente nos casos de “bloqueio mental”, eliminar quadros de insônia e prevenir ataques de hiperventilação.

Além da pesquisa da Puc-SP, existem diversos outros, um estudo feito pela Unifesp, em parceria com o Hospital São Matheus, contou com um grupo de 140 idosos praticando meditação por 2 meses, 2 vezes por semana. Metade dos participantes que seguiu à risca a prática da meditação duas vezes por semana e relataram resultados bastante significativos:

  • 71,19%relataram melhorias na postura;
  • 64,41%afirmaram estar respirando melhor;
  • 62,71%conseguiram aumentar a disposição;
  • 57,63%experimentaram redução de dores físicas
  • 45,76%tiveram melhorias em doenças crônicas (junto com o tratamento convencional);
  • 37,29%relataram mudanças no hábito intestinal.

 

REFLEXÕES SOBRE MEDITAÇÃO

“A paz vem de dentro de você mesmo. Não a procure à sua volta.” – Buda

“Os grandes mestres nos ensinam a fechar os olhos e a lembrar, pela meditação no eu invisível, que não estamos restritos ao que nossos corpos físicos podem fazer.” – Paramahansa Yogananda

“Não se satisfaça com um pouco de paz nascida de sua meditação, mas anseie continuamente pela bem-aventurança divina.” – Paramahansa Yogananda.

Randressa Nogueira
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 + cinco =