Meditação para crianças – Como ensinar os pequeninos a arte de apreciar o agora

“Viver no agora é o melhor caminho para a felicidade” – Eckhart-Tolle

Meditação para criancinhas pode parecer um conceito estranho. Elas são tão novas, despreocupadas, será que faz sentido apresentá-las a meditação tão cedo? Ou será que elas até mesmo conseguem fazer essa prática?

Primeiro vale avaliar que estamos lidando com uma geração muito diferentes de crianças. Elas estão chegando cada vez mais atentas, mais espertas, fazendo perguntas extremamente inteligentes que nos deixar por muitas vezes embasbacados.

Mas mesmo com toda essa sagacidade essas crianças ainda chegam no mundo como está, agitado, bagunçado e assim como nós adultos são bombardeadas de informações. Na era virtual tudo é muito rápido e todos os estímulos chegam ao mesmo tempo, nos exigindo cada vez mais atenção e mais energia para cumprir todas as demandas.

Sabemos exatamente por conta disso nossa presença consciente se torna cada vez mais um desafio e por mais fácil que possa parecer a vida das crianças elas também já lutam com o estresse, angustias e têm suas agendas cheias de atividades como inglês, esportes, música, dança.

Claro, tudo isso é muito interessante para o desenvolvimento delas, mas de qual forma elas estão vivenciando tudo isso? De qual forma podemos fazer com que essas atividades sejam um benefício para a formação delas e não um peso?

Existe espaço e tempo para que elas analisem e percebam seus sentimentos?

Na infância é onde começamos a entender as interações do mundo e a forma como aprendemos a nos relacionar conosco e com os outros nessa época é determinante para definir a forma como nos tratamos e lidamos com os outros nos anos seguintes. Ou seja, dar a atenção e os cuidados corretos nessa fase é de grande importância para pavimentar um caminho de mais leveza e felicidade.

E é aí que entra um grande aliado, a meditação para crianças.

Os benefícios da meditação

São diversos os benefícios que a meditação pode trazer, mas um dos grandes que podemos citar é exatamente incentivar a presença da consciência no momento vivido. Dessa forma a criança entra em contato com ela mesma, desenvolve autoconfiança, entende melhor seus pensamentos o que permite tomar decisões mais claras e saudáveis e alcança a sensação de bem estar mais constante.

Ela cria espaço para lidar com esses tantos estímulos a que os pequenos são apresentados e dessa forma eles conseguem lidar com isso com mais calma e menos ansiedade. Mesmo quando se deparam com problemas como bullying, estresse ou dificuldades familiares a meditação desenvolve a habilidade de superar tudo isso com mais saúde.

Basicamente viver no presente permite que os pequenos estejam vivenciando por inteiro as experiencias, tirando o máximo de cada momento. E esss servirão de base para a formação emocional e mental deles, os tornando adultos muito mais felizes e conectados.

Mas essa atenção e todos os benefícios que ela traz raramente vem de forma automática. É um comportamento que precisamos praticar e desenvolver.

Como introduzir a meditação na vida do seu pequeno

Apresentar a criança ao mundo da meditação pode ser mais fácil do que você pensa. Claro que não é possível fazer uma prática longa de vários minutos no começo. Uma criança pequena raramente passa 10 minutos completamente parada e concentrada na primeira vez, isso é normal! Esses são objetivos que vão sendo alcançados aos poucos conforme o treinamento e o desenvolvimento dessas habilidades.

Aqui é importante atentar para duas coisas, a prática periódica que permite esse progresso gradativamente e o respeito à maturidade emocional de cada criança. A atividade não é para ser algo forçado, mas sim algo divertido e associado com bons momentos.

Existem diversas formas de mostrar às crianças os princípios da meditação incentivando a presença no momento. Uma ideia muito interessante é trazer de forma lúdica a atenção ao corpo e ao presente por exemplo colocando um urso no peito da criança deitada para que ela possa ver ele subindo e descendo com a respiração.

A respiração é uma ótima maneira de prender a atenção e ancorar a mente no momento presente, dentro disso podemos fazer algumas outras referências de fácil compreensão, como pedir para o pequeno imaginar o corpo como um enorme balão que enche e esvazia. Ou mostrar a respiração mais profunda como o ato de cheirar uma flor e soprar uma vela.

É importante o uso de elementos que já fazem parte da vida da criança, dessa forma existe uma rápida conexão mental que permite que a criança lembre mais rapidamente como aplicar as técnicas.

Tipos de meditação: Como escolher a melhor opção?

Existem alguns tipos de meditação tradicionais que costumam ser mais presentes hoje em dia. Duas muito conhecidas são as técnicas mindfulness e a meditação guiada.

Com mindfulness costuma existir mais silêncio, é uma prática que ajuda a lidar com o excesso de pensamentos sem se apegar a eles, trazendo a atenção plena ao momento. Imagine como se os pensamentos fossem carros em uma estrada e ao invés de estar na pista correndo atrás deles o tempo todo o praticante fica ao lado da estrada, apenas olhando o tráfego. Então os pensamentos ainda estão lá, como os carros da estrada, mas não perseguimos mais eles, apenas olhamos eles indo e vindo, com mais calma e clareza.

Já na meditação guiada existe um roteiro onde o praticante presta atenção aos elementos que vão surgindo e que ancoram a atenção ao momento presente. Dessa forma é possível usar a criatividade, criando um ambiente mental interessante, mágico e com elementos lúdicos que seja encantador para o pequeno ouvinte.

Para escolher a melhor técnica é preciso prestar atenção ao momento da criança. Uma avaliação da compreensão dela aos assuntos abordados, da maturidade, da idade. A princípio pode ser mais fácil trazer uma opção guiada, que traz os elementos cativantes da criação e pode ser feita pelos pais sem dificuldades. Alguns roteiros para isso podem ser achados facilmente na internet.

Aplicação no dia-a-dia: uma forma fácil de entender a presença

Agora, outra forma de introduzir a prática é colocá-la aos poucos no dia-a-dia. Meditação não significa necessariamente que a criança vai se sentar no chão com pernas de índio e ficar parada até acabar. É possível e extremamente interessante trazer essa noção para o cotidiano. Dessa forma a criança faz dessa presença um hábito constante na vida dela. 

Uma forma fácil de conseguir isso é, por exemplo, levá-la para dar uma volta fora de casa, num parque talvez. Faça o exercício de observar as flores, as folhas, a cor delas, a textura, os cheiros. Ou uma opção um pouco mais caseira, pegue uma ampulheta e a convide para observar a areia caindo, pinte mandalas, faça dobraduras. Tudo isso pode ser meditativo, guiando a atenção para o presente e trazendo todos os benefícios dessa presença.

A grande dica final de aplicação no dia-a-dia é o exemplo. As crianças têm o hábito de copiar os comportamentos que estão mais presentes na vida dela, em especial o dos pais. Desenvolver a noção do agora diariamente pode ser um desafio vivido em família e acredite, os benefícios com certeza serão colhidos por todos, melhorando a energia da relação familiar e trazendo leveza e felicidade como sentimentos ativos e presentes.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *