como-pedir-desculpas

Quando, Por que e Como Pedir Desculpas

Avalie esse conteúdo

A gente tenta consertar, fazer graça, dá presentinho, manda mensagem, tenta agradar de todas as formas. Tudo isso é muito mais fácil do que se colocar diante da pessoa com quem você errou, e pedir desculpas humildemente.

Por que será, heim? Que pedir desculpa é uma tarefa tão difícil?

Falar sobre pedir desculpas nos ajudará a tirar o peso que acompanha o conceito. Tornando-o mais leve, é possível torná-lo suportável de carregar na bolsa. Afinal, estamos sempre precisando utilizá-lo.

As diferentes desculpas

Primeiramente, vamos fazer as distinções dos conceitos. Vamos definir de ‘qual’ pedido de desculpas estamos nos referindo aqui.

Definitivamente este visto no vídeo do Porta dos Fundos, é um muito comum.

Mas não é desse que vamos nos referir. Não é da desculpa como justificativa do erro ou poder de negociação.

E sim da desculpa quando vem precedida da admissão do erro, equívoco, mal entendido. Ou seja, da culpa, do remorso.

Diante da apresentação desses dois diferentes significados de desculpa, fica evidente que antes da dificuldade de pedir desculpas temos a maior ainda dificuldade de admitir erros.

Não existe um pedido de desculpas sincero, sem a prévia admissão do erro.

 

Admitir erros

Mesmo não existindo nada mais humano do que os erros, essa dificuldade assombra pessoas do mundo todo, de crianças a idosos.

Aprendemos que errar desagrada as pessoas de quem mais esperamos aprovação, que ela vem acompanhada de punições, sentimentos negativos e de desaprovação social.

Mas quando crescemos, e nos tornamos responsáveis pela escolha dos nossos pensamentos, podemos ver além dos traumas. E que os erros só são erros quando não percebidos.

Quando percebidos se tornam aprendizados. Aprendizados que não teriam acontecido se os “erros” não tivessem sido cometidos.

Veja o Leandro Karnal exemplificando:

É fácil pensar assim quando as consequências dos nossos erros não se espalha para muito longe. Mas acontece que também erramos e aprendemos a custa dos outros.

Quando causamos transtorno ou sofrimento

Sinto muito x Desculpas

Sobre pedir x exigir

 

Nunca foi fácil sentar e dizer que você sente muito depois de ter cometido um erro.
Agora temos alternativas que achamos menos estressantes: podemos enviar uma foto com uma anotação, ou podemos enviar um texto ou um e-mail.
Nós não temos que pedir desculpas uns aos outros, podemos digitar “Desculpe”. E clicar em ‘enviar’.
Mas é só cara a cara que você pode ver que você feriu a outra pessoa.
A outra pessoa pode ver que você está realmente arrependido.
É essa percepção que desencadeia o início do perdão.
Nada disso acontece com “Desculpe”, e clicar em ‘enviar’.

Uma desculpa cara-a-cara é uma ocasião para praticar habilidades empáticas. Se você é o penitente, você é chamado a se colocar no lugar de outra pessoa. E se você é a pessoa que recebe o pedido de desculpas, você também é convidado a ver as coisas do outro lado para que você possa se mover em direção à empatia.

Em uma conexão digital, você pode contornar tudo isso.
Portanto, há muito em jogo quando nos afastamos das desculpas cara a cara. É a “trégua artificial”. O texto “Me desculpe” significa, por um lado, “Eu não quero mais ter tensão com você, vamos ficar bem “, e ao mesmo tempo diz:” Eu não vou estar ao seu lado enquanto você estiver triste ou decepcionado, apenas deixe-me saber quando nossos problemas estiverem terminado.”

O texto “Desculpe” é uma oportunidade perdida. Essas oportunidades podem ser aproveitadas. Os pais podem insistir que as desculpas de seus filhos sejam feitas pessoalmente. Uma mãe explica que seu filho sempre ligado, agora com treze anos, tinha o hábito de cancelar planos familiares enviando um e-mail ou texto para anunciar suas intenções. Ela mudou as regras. Agora, se ele quer cancelar um plano – digamos, jantar com seus avós – ele tem que fazer um telefonema para cancelar o compromisso. Esse telefonema em tempo real ensina que suas ações afetarão os outros. Sua mãe diz: “Ele pode ouvir que minha mãe fez o frango assado e já está no forno. Ele pode ouvir que seu avô já comprou o xarope para fazer sundaes. “Em suma, ele pode ouvir que ele é esperado e que sua presença será sentida.” Ela acrescenta que, desde que as novas regras entraram em vigor, raramente houve um cancelamento.

Desculpas na pessoa não são menos potentes nas configurações de negócios. Gerentes me dizem que uma grande parte de seu trabalho tornou-se ensinar os funcionários a se desculpar cara a cara. Um CEO diz que ele grita em frustração, até mesmo para funcionários de longa data, “Desculpas para ele. Cara a cara. Você estava errado. Diga que você está arrependido. “Outro diz-me que nos negócios, não poder dizer que você está arrependido face a face é” como dirigir um carro, mas não saber como ir em sentido inverso. “Essencialmente, isso significa que você pode ‘ T drive. Na sua opinião, ele está trabalhando com um monte de pessoas que precisam de aulas de condução.

________________________________________________________________________________

A Escola da Conversa adora quadrinhos! Além de serem a expressão única do talento de um artista, os quadrinhos transmitem as mais profundas filosofias de forma simples e compatível.

A artista se chama Yao Xiao, veja mais sobre ela em: yaoxiaoart.com | Facebook | Instagram | Twitter | Tumblr

Ela sugeriu, através da sua arte, uma forma diferente de se comunicar, a partir de uma mudança de olhar. De um ponto de vista mais positivo, para enxergar a nós mesmos e as nossas atitudes com mais leveza.

Além de olhar não só para o as nossas ações, mas saber reconhecer também a das outras pessoas.

Nós tomamos a liberdade de traduzir as falas dos quadrinhos, confira abaixo:

 

yao-xiao-universo-empatico

Juliana Matsuoka

A Ju acredita que, seja consigo mesmo ou com outras pessoas, conversas melhores transformam e salvam vidas. Ela é aprendiz do seu próprio trabalho, é Coach e criadora do projeto Comunicação Consciente.

Últimos posts por Juliana Matsuoka (exibir todos)