Guia para uma liderança colaborativa com Lorna Davis

Qual a diferença entre heróis e líderes? Nessa palestra reveladora, Lorna Davis explica como nossa idolatria por heróis está nos impedindo de resolver grandes problemas; e mostra por que precisamos de “interdependência radical” para a fazer a verdadeira mudança acontecer.

‘Ela está dentro de você’: 10 filmes para crianças sobre morte, vida e luto

Luto, finitude, fim. Variações de um mesmo tema central e comum a todos nós: a morte. Como abordar questões sensíveis como essas com as crianças, esses seres em desenvolvimento de si? Será que a arte pode ajudar? Depois das dicas de livros para falar sobre a morte, nossos leitores pediram, e a gente traz uma lista de filmes infantis sobre o assunto. São 10 animações voltadas para as crianças que abordam – direta ou indiretamente – a jornada de elaboração do luto de um personagem diante de alguma perda.

Muitos pais, cuidadores e até mesmo professores podem ter receio de falar sobre o tema, já que ele costuma gerar incômodo, mas é consenso entre os especialistas em desenvolvimento infantil que a escuta ativa da criança passa por tratar com respeito e reverência os seus porquês sobre o mundo.

A morte e o luto aparecem com frequência no Lunetas – uma busca rápida pela palavra-chave “morte” em nosso campo de busca traz dezenas de matérias, listas e reportagens sobre o assunto, entre dicas de livros e outras ferramentas pedagógicas que invistam na educação emocional para mediar essa conversa.

“É preciso educar as crianças para a morte”, defende o professor Thiago Augusto Divardim de Oliveira – clique aqui para ler a entrevista completa

Por que falar sobre a morte com as crianças?

Nascer é muito comprido“, já dizia o poeta Murilo Mendes. E sobre o morrer, o que ele – ou outro – diria? Diante do mistério mais onipresente da vida do ser humano, somos eternos curiosos, como as crianças. São elas, aliás, que frequentemente têm as dúvidas mais honestas sobre esse assunto. “O longe é para sempre?”, pergunta o personagem Cícero, protagonista do livro “A coisa brutamontes“, romance infantojuvenil aborda a dor de perder alguém querido e ficar do lá, sem as respostas.

Sobre a morte, afinal, as perguntas sempre sobram. O que podemos fazer é criar repertório para lidar com o que dói, e acessar nossos próprios medos sem receio de parecermos vulneráveis na frente das crianças. Conforme aprendemos com o professor Christian Dunker, no livro “O palhaço e o psicanalista” – do qual falamos recentemente por aqui – permitir-se à vulnerabilidade é a senha para uma relação afetiva e honesta, e não só com as crianças.

Confira a lista de filmes que podem contribuir para conversar com as crianças sobre a morte, e todas as interrogações que vêm dela.

  • 1. “Up, Altas Aventuras”

Um senhor chamado Carl Fredricksen, com seus setenta e poucos anos de idade, passou a vida sonhando em explorar o planeta e viver plenamente a vida. Após perder sua companheira, ele vive isolada em uma casa sob risco de demolição. Até que um plano mirabolante invade sua cabeça: fazer sua casa inteira levantar voo através de balões e transportá-la dos Estados Unidos para o Paraíso Perdido das Cachoeiras, um lugar perdido em meio às montanhas da América do Sul. O filme todo é uma espécie de jornada de elaboração de luto do personagem principal, e apresenta uma amizade intergeracional entre um menino e um idoso.

  • 2. “A casa dos pequenos cubos” (Tsumiki no ie)

Vencedor de mais de 15 prêmios internacionais, incluindo um Oscar de melhor animação em 2009, este curta japonês sem diálogos conta a história de um senhor com idade já avançada que mora em uma cidade ao nível do mar. Com o passar do tempo, o nível da água vai subindo, e, desta maneira, o idoso tem que erguer ainda mais sua casa, que é levantada tijolo por tijolo. O pequeno filme, com pouco mais de 12 minutos, metaforiza a elaboração da perda, e de como nos isolamos em muros altos a cada vez que não conseguimos lidar com um sentimento. O filme já foi utilizado como base para teses sobre psicanálise e saúde mental.

  • 3. “O Rei Leão”

Quem não se lembra do clássico infantil da Disney e sua jornada de elaboração do luto do pequeno Simba, após perder o pai, Mufasa? Há uma cena em que o macaco Rafiki, ao ver o filhote de leão sofrendo com a perda do pai, diz “Ele está dentro de você”, uma fala que atravessou gerações como um aprendizado sobre os vínculos afetivos que permanecem mesmo depois da partida de alguém. Em cartaz em live action nos cinemas, a nova versão de O Rei Leão convida a revisitar também o original, e relembrar a força simbólica de uma história que ultrapassa a passagem do tempo.

  • 4. “Viva – A vida é uma festa”

Tendo como pano de fundo a tradição mexicana do Dia de Los Muertos e a perspectiva de como diferentes culturas lidam com a morte, o filme trata com leveza de questões humanas e familiares universais. A animação conta a história de Miguel, que sonha em se tornar um grande músico como seu ídolo, Ernesto de la Cruz. Então, Miguel vai à pitoresca Terra dos Mortos, seguindo uma misteriosa sequência de eventos. Ao longo do caminho, ele conhece o trapaceiro Hector e juntos partem em uma jornada para descobrir a verdade por trás da história da família de Miguel. O filme é dirigido por Lee Unkrich (Toy Story 3).

  • 5. “O túmulo dos vaga-lumes”

Os irmãos Setsuko e Seita vivem no Japão em meio a Segunda Guerra Mundial. Após a morte da mãe em um bombardeio americano e a convocação do pai para a Guerra, eles vão morar com alguns parentes. Insatisfeitos, saem da cidade e acabam num abrigo isolado na floresta, onde lutam contra a fome e as doenças e se divertem com as luzes dos vaga-lumes. Uma animação sensível sobre os aprendizados do amadurecimento diante das situações desafiadoras.

  • 6. “Lilo & Stitch”

Em uma exótica ilha do Havaí, uma garotinha solitária chamada Lilo adota um “bichinho” de estimação e passa a chamá-lo de Stitch. Só que ela não sabe que o pequeno ser é uma perigosa experimentação genética que fugiu de um planeta alienígena. O único interesse de Stitch em relação a Lilo é usá-la como escudo para se proteger dos caçadores alienígenas que vieram capturá-lo. No final, é a fé de Lilo em “ohana”, uma tradição da família havaiana, que abre o coração de Stitch e dá a ele aquilo que nunca poderia imaginar ter em sua vida – a capacidade de gostar de alguém. (YouTube Filmes). Disponível na Netflix. Assista ao trailer:

  • 7. “A casa monstro”

Mesmo para um garoto de 12 anos, D.J. Walters tem uma imaginação hiperativa. Ele está convencido de que seu desvairado e sinistro vizinho Horácio Epaminondas, que aterroriza todas as crianças da vizinhança, é responsável pelo desaparecimento da Sra. Epaminondas. Qualquer brinquedo que cai na casa de Epaminondas desaparece na hora, engolido pela casa cavernosa que Horácio vive. Mas, na verdade, a “casa engolidora” é uma metáfora para o luto que o senhor Horácio vive após perder a esposa. Disponível na Netflix. Assista ao trailer:

  • 8. “Divertidamente”

Apesar de não ser propriamente um filme sobre um personagem que está vivendo um luto, “Divertidamente”, da Pixar, é um verdadeiro tratado lúdico sobre a mente humana, e trata com leveza de um assunto fundamental para todos que criam uma criança, educação emocional. O filme acompanha as aventuras e desventuras dos sentimentos que vivem dentro da protagonista, Riley, acompanhando o impacto que os acontecimentos da sua vida têm sobre saúde mental. O filme retrata as pesquisas do mentor de Dacher Keltner, professor de Psicologia da Universidade da Califórnia, o pesquisador Paul Ekman, pioneiro dos estudos das relações entre as emoções e as expressões fisionômicas. Disponível na Netflix. Assista ao trailer:

  • 9. O vale encantado dos dinossauros

Na distante época dos vulcões e perigosos terremotos, um jovem braquiossauro chamado Littlefoot é repentinamente deixado sozinho, após a morte da sua mãe. Saindo à procura do lendário Vale Encantado, ele encontra quatro outros jovens dinossauros que concordam em acompanhá-lo em sua jornada. Numa ousada aventura para cruzar uma paisagem cheia de perigos, o bravo grupo encontra predadores famintos e desafios assustadores, enquanto aprende novas lições de vida e a importância do trabalho em equipe.

  • 10. “Frankenweenie”

Da Disney e do gênio criativo de Tim Burton (“Alice no País das Maravilhas” e “O Estranho Mundo de Jack”), o divertido “Frankenweenie” é uma história emocionante sobre um menino e seu cachorro. Depois de perder subitamente seu amado cão Sparky, o jovem Victor aproveita o poder da ciência para trazer seu melhor amigo de volta à vida, apenas com alguns pequenos ajustes. (YouTube Filmes) Disponível na Netflix. Assista ao trailer:

 

O fogo por Judy Brown

O que faz um fogo queimar
é o espaço entre as lenhas,
um espaço para respirar.

Demasiado de uma coisa boa,
muitas lenhas colocadas muito próximas,
podem apagar as chamas
quase tão certamente
quanto um balde de água o faria.

Então, construir fogueiras
requer atenção
para os espaços entre,
tanto quanto para a madeira.

Quando somos capazes de construir
espaços abertos
da mesma forma que
aprendemos a empilhar as lenhas,
podemos então ver
que é a presença de combustível, e ausência de combustível
juntos, que tornam o fogo possível.

Nós só precisamos colocar uma lenha
levemente de vez em quando.

O fogo
cresce
simplesmente porque o espaço está lá,
com aberturas
e a chama, que sabe exatamente como quer queimar,
encontra o seu caminho. —

Judy Brown.

A CNV nos convida também a criar espaço, espaço para escutar em profundidade o que de tão valioso estamos cuidando.

 

o-convite

O Incrível Poema-Manifesto de Oriah Mountain Dreamer, “O Convite”

O nome é incomum, Oriah Mountain Dreamer, mas o poema dessa escritora canadense não é. “O Convite” é um desafio em forma poética, um poema lúcido, vívido e com uma circunferência que pretende incluir tudo que a vida é, principalmente o âmago das suas experiências. Das nossas verdadeiras experiências, não importa o quão felizes, tristes, solitárias ou coletivas. O que Oriah percebe como falso ou convencional, ela simplesmente diz (e repete ao início de cada verso): “não me interessa“.

A inspiração pela liberdade de viver que o poema traz lembra um pouco o trabalho de Gestalt Terapia do psicoterapeuta alemão Fritz Perls (1893-1970).

Para ler o poema e captar o convite, baixe um pouco seu ritmo de leitura, respire fundo e leia as sentença com atenção e calma.

Eis o poema, traduzido para o português.

O CONVITE
Por Oriah Mountain Dreamer

Não me interessa o que você faz pra viver. Quero saber o que você deseja ardentemente, e se você se atreve a sonhar em encontrar os desejos do seu coração.

Não me interessa quantos anos você tem. Quero saber se você se arriscaria parecer que é um tolo por amor, por seus sonhos, pela aventura de estar vivo. Não me interessa que planetas estão em quadratura com a sua lua. Quero saber se você tocou o centro de sua própria tristeza, se você se tornou mais aberto por causa das traições da vida, ou se tornou murcho e fechado por medo das futuras mágoas.

Quero saber se você pode sentar-se com a dor, minha ou sua, sem se mexer para escondê-la, tentar diminuí-la ou tratá-la. Quero saber se você pode conviver com a alegria, minha ou sua, se você pode dançar loucamente e deixar que o êxtase tome conta de você dos pés à cabeça, sem a cautela de ser cuidadoso, de ser realista ou de lembrar das limitações de ser humano.

Não me interessa se a história que você está contando é verdadeira. Quero saber se você pode desapontar alguém para ser verdadeiro consigo mesmo; se você pode suportar acusações de traição e não trair sua própria alma. Quero saber se você pode ser leal, e portanto, confiável.

Quero saber se você pode ver a beleza mesmo quando o que vê não é bonito, todos os dias, e se você pode buscar a fonte de sua vida em sua presença. Quero saber se você pode conviver com o fracasso, seu e meu, e ainda postar-se à beira de um lago e gritar à lua cheia prateada: “Sim!”.

Não me interessa saber onde mora e quanto dinheiro você tem. Quero saber se você pode levantar depois de uma noite de tristeza e desespero, cansado e machucado até os ossos e fazer o que tem que ser feito para as crianças.

Não me interessa quem você é, como chegou até aqui. Quero saber se você vai se postar no meio do fogo comigo e não vai se encolher.

Não me interessa onde ou o que ou com quem você estudou. Quero saber o que o segura por dentro quando tudo o mais fracassa. Quero saber se você pode ficar só consigo mesmo e se você verdadeiramente gosta da companhia que tem nos momentos vazios.